Código: 1096

Banho Maria

Bookmark and Share


Por:
R$ 30,00

ou 3x sem Tarifa de R$ 10,00
 
Simulador de Frete
- Calcular frete

BANHO-MARIA
Airton Paschoa 
ISBN 978-85-7751-041-2

publicado em abril de 2009
96 páginas - R$30,00

 

BANHO MARIA

Nas águas de Ver navios (2007), este livro acolhe a mesma diversidade de formas breves. Os escritos (ao autor repugna a palavra “textos”) vão desde contos e crônicas, passando por poemas piadas ou poemas em prosa, até poemas tout court, sem prosa. O diálogo com Ver navios não é apenas genérico. Assim, “Fantasia coral” replica “A truta” schubertiana do outro livro...

O que talvez não se reproduz inteiramente é o estado de espírito do eu lírico-narrativo. À semelhança do primo mais velho, “Banho-maria” (“O chiado não cessa. Mas basta controlar a pressão. Um suspiro e iria tudo pelos ares. Muito sábia a senhora minha avó. Viveu de chaleira na mão e um dia evaporou. Que Deus a tenha! que a chaleira está entre nós”) também serve de expressão à fisionomia geral do livro (captada com perspicácia pela ilustradora, Polyana Canhête, a qual converte a velha chaleira do escritor em outra ancestral sua, uma máquina de escrever, evidentemente avoenga). 

O eu épico-lírico se abre agora em compasso de espera (“Oriente próximo”), mas compasso tenso, a que não faltam ameaças de explosão (“Cuíca” ou “Jornal Nacional”), e até mesmo explosões (“Justa causa” ou “Iluminação pública”). A tensão do livro não inibe o espaço destinado aos remansos da memória; ao contrário, quase que os cria, na tentativa de fugir à pressão (“Do outro lado”, “Estamos indo”). Posto não surjam tão mansos muitos remansos, nem seja a memória propriamente caso sempre de comemorar (“Educação a distância”). E aqui tocamos uma das chaves do livro. 

A memória do futuro do passado, o outro nome da utopia piada, que chega com certo atraso ao País, constitui um dos motes centrais do díptico, justificando escritos como “Utopia não, pangéia”, “A queda”, sem contar a própria “Fantasia coral”, escritos a que não falta humor... tampouco dor. 

O curioso, para não avivar eventual morbidez, é que, com estoutra “antologia” (de flores funéreas?), o escritor parece querer deslocar para o centro do seu trabalho um gênero típico de espólio literário, a “miscelânea”. Assim seja. 
[depoimento do autor]
 

Deixe seu comentário e sua avaliação


Características