Código: 996

Jorge Amado na Hora da Guerra

Bookmark and Share

Marca: Alameda Modelo: 212 Referência: 9788579391439


Por:
R$ 64,00

ou 3x de R$ 22,19 com juros
 
Simulador de Frete
- Calcular frete

Jorge Amado na Hora da Guerra mostra outra face do ficcionista: o jornalista de um periódico, O Imparcial, de Salvador, num instante da Segunda Guerra Mundial, entre 1942 e 1944. O escritor, membro e servidor do Partido Comunista, refugiado na Argentina e no Uruguai por divergência política com Getúlio Vargas, retorna à pátria, após o ditador declarar guerra à Alemanha e à Itália, e vem se colocar na “Unidade Nacional” de todos os brasileiros, sob o comando de Vargas contra o arianismo.

A coluna Hora da Guerra não é uma visão histórica nem documental deste conflito, observado da Bahia, muito embora marcas de traços regionais estejam presentes, como datas históricas, o 2 de Julho;  vultos consagrados, ou individualmente, como Castro Alves e Rui Barbosa, ou reunidos em grupo, como o ex-governador José Seabra; acontecimentos regionais, como a Lavagem do Bonfim, os festejos de São João; traços da cultura afro-baiana, como o candomblé e os orixás, e outras lembranças locais.

O autor rediscute algumas ideias que permaneciam na Europa, desde os fins da Primeira e inícios da Segunda Guerra. Apresenta quatrocentas e sessenta e duas crônicas de sua autoria (uma sua, repetida, e duas de outros cronistas) na Hora da Guerra, se ocupando da participação do Brasil na disputa, inclusive por determinação partidária, com a presença ativa, defendendo a proposta básica: o envio de um Corpo Expedicionário, a fim de o país se incluir numa segunda frente.

Do nazi fascismo são mostrados: suas posições assumidas, as pessoas por ele perseguidas ou atingidas, as suas propostas iniciais, e o início da sua derrocada, sobretudo na Europa, tratando, inclusive, da formação da liderança aliada tripartite de combate ao nipo-nazifascista. São apresentados: a Guerra no continente asiático e o envolvimento da América Latina no conflito, repercussões e posições assumidas pelos governos locais. O escritor dedica textos ao papel da cultura, das artes e da literatura neste tempo de oposições acirradas, que aparecem ao longo da circulação da coluna.

 

Sobre o autor: Benedito Veiga é Doutor em Letras pela UFBA, Professor Titular de Literatura Brasileira e Permanente do Pós-Graduação da UEFS. Tem Pós- -Doutorado pela USP. É Coordenador do Grupo de Memória Crítica; associado ao GT de História da Literatura da ANPOLL, à ABRALIC e à AIL. Desenvolve pesquisas sobre Jorge Amado e a memória cultural baiana, com livros e ensaios publicados. Participa de encontros acadêmicos.

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características


  • Medida: Altura: 01cm, Largura: 16cm, Comprimento: 23cm
  • Páginas: 396 páginas
  • Peso: 510 gramas