Código: 762

Pelas ondas do rádio

Bookmark and Share

Referência: 9788579392269


Por:
R$ 54,00

ou 3x sem Tarifa de R$ 18,00
 
Simulador de Frete
- Calcular frete

Este livro trata da relação entre o primeiro sistema de educação a distância de alcance nacional organizado no Brasil – o Movimento de Educação de Base (MEB) –, o Estado e os camponeses na conjuntura crítica de 1961-65. O MEB foi formalizado por um acordo assinado entre a Igreja Católica e o Governo Federal em 1961, e consistia em um conjunto de sistemas radioeducativos pelos quais eram dadas aulas de leitura e escrita, matemática e “educação de base” (que ia da higiene pessoal a direitos trabalhistas) para escolas radiofônicas espalhadas por casas de famílias, salões paroquiais ou salas em escolas infantis no interior do Brasil.

Com este projeto, a cúpula da Igreja visava afastar os camponeses da influência do Partido Comunista e doutriná-los em valores como trabalho, ação solidária e bem comum. Uma parcela dos professores visava à mobilização camponesa por direitos e transformações sociais. O Estado almejava incorporar os camponeses a seu projeto de desenvolvimento, promovendo uma modernização conservadora. E os camponeses, longe de serem receptores passivos das ações desses sujeitos, souberam, a partir de sua condição de classe e de seus referenciais culturais, selecionar e incorporar os aspectos que, na prática, mais lhes interessavam do que o MEB oferecia. Assim, modificaram o formato original das transmissões radiofônicas e, finalmente, definiram condições para sua incorporação ao projeto desenvolvimentista.

Claudia Moraes teve acesso a um acervo de 4 mil cartas endereçadas ao MEB por monitores e alunos e estudou cerca de 500 delas. Mobilizou referenciais teóricos como E. P. Thompson, Henri Lefebvre e N. G. Canclini com grande sensibilidade e criatividade para rediscutir, a partir de uma perspectiva dos “de baixo”, problemas como a modernização em sociedades periféricas; a relação entre cultura popular, de massas e “universal”; as possibilidades e limites da ação dos sujeitos e do rendimento das instituições em nossa história.

Este livro contribuiu de forma marcante para pensarmos novamente e com outro olhar o momento-chave de definição de nosso destino como projeto social que foi a conjuntura 1961-1964.

Murilo Leal

Historiador – Unifesp

 

Claudia Moraes de Souza nasceu em São Paulo, capital, no ano de 1968. Cursou História na USP, onde fez pós-graduação defendendo seu mestrado, em 1999, e sua tese de doutoramento, na área de História Social, em 2007. Lecionou na Universidade Metodista de Piracicaba e na Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp. Atualmente é Professora Adjunta da Escola de Política, Economia e Negócios da Unifesp e Professora Colaboradora da Pós-graduação “Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades” da FFLCH/USP. Publicou Movimentos Sociais no Brasil Contemporâneo (Loyola) e suas áreas de especialização são História do Tempo Presente e História do Brasil Contemporâneo, com pesquisas nos temas relações do Estado e sociedade, movimentos sociais, movimentos de cultura e cultura popular.

Deixe seu comentário e sua avaliação


Características