Código: 1028

Resistência – Memória da ocupação nazista na França e na Itália

Bookmark and Share

Marca: Alameda Modelo: 2016 Referência: 978-85-7939-375-4


Por:
R$ 74,00

ou 3x de R$ 25,65 com juros
 
Simulador de Frete
- Calcular frete

Memória da ocupação nazista na França e na Itália

Como todas as grandes pesquisas em História, o livro de Denise Rollemberg apresenta soluções, mas também problemas, dúvidas e indagações para aqueles que se debruçam nas temáticas relativas aos chamados regimes totalitários. Soluções, pois deixa claro, que nenhum trabalho historiográfico que se preze pode, hoje, entender os fenômenos do nazismo, do fascismo ou da colaboração do marechal Pétain como um resultado de soma zero: de um lado os bons, de outro os maus. De um lado, os conscientes, de outro os inconscientes. A escolha por enfrentar ou não o inimigo é tão complexa de entender como o é também o que fica deste legado. Denise Rollemberg descortina, por um lado, o problema que se coloca com o conceito de Resistência, sua utilização à época e sua apropriação nas décadas seguintes e mesmo nos dias atuais. Por outro, desconstrói o pretenso protagonismo dos Partidos Comunistas no enfrentamento aos fascismos em França e em Itália. Procura também entender as razões da aceitação daqueles que não enfrentaram os fascismos. Sempre, é bom que se diga, na linha indicada por Isaiah Berlin: “Compreender não significa aceitar”.
Fosse apenas este o objetivo do livro e já cumpriria excelente papel. Mas vai além. Ao estudar, ao lado dos assim chamados movimentos de resistência os seus legados, a apropriação por parte do Estado e das sociedades francesa e italiana da memória da luta contra o fascismo, o trabalho resulta numa corajosa crítica à mitificação da resistência e à sacralização de seus personagens. Destrincha com pesquisa original e bibliografia atualizada as contradições e os impasses da memória. Os museus e monumentos de resistência fazem escolhas. É, por certo, difícil enfrentá-los. Afinal, como não evocar a memória dos que se colocaram contra os fascismos? É tão mais fácil! Por que arriscar confundir-se com os revisionismos de extrema-direita que hoje recusam o holocausto, por exemplo? Por que insistir em uma compreensão histórica dos autoritarismos, recusando o conveniente argumento de que o fascismo foi um “mal” extemporâneo de uma Europa fadada à democracia e ao liberalismo? A escritora portuguesa Lídia Jorge disse
certa vez: “Deveríamos rir-nos da fragilidade da memória, ou pelo menos sorrirmos 
das artimanhas do seu esquecimento”.Denise Rollemberg, em um texto, ao mesmo tempo excelente e rigoroso, nos dá pistas para compreendermos as razões da memória e do esquecimento. Apresenta-nos soluções e dúvidas. Um livro ímpar. De leitura obrigatória.
 
Francisco Martinho
Professor Livre-Docente do
Departamento de História da USP
 
Sobre a autora: Denise Rollember nasceu no Rio de Janeiro, em 1963. É doutora em História pela Universidade Federal Fluminense, onde é professora de História Contemporânea, e pesquisadora do CNPq. Autora de Exílio(Record, 1999), obra sobre os exilados em países europeus, latino-americanos e africanos durante o regime 
militar brasileiro. Organizou os volumes sobre a Europa em 
A construção social dos regimes autoritáriosLegitimidade, consenso e consentimento no século XX (Civilização Brasileira, 2010) e de História e memória das ditaduras do século XX (Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2015). Dedica-se, nos últimos anos, à pesquisa de museus e memoriais da Resistência ao nazismo na França, Itália, Alemanha, Países Baixos e Polônia.
 

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características


  • Medida: Altura: 01cm, Largura: 16cm, Comprimento: 23cm
  • Páginas: 378 páginas
  • Peso: 620 gramas