Eu preferia ter perdido um olho, de Paloma Franca Amorim - 2ª edição

Eu preferia ter perdido um olho, de Paloma Franca Amorim - 2ª edição

Marca: Alameda Modelo: 2021 Referência: 978-65-5966-003-2

  • Medida: Altura: 01cm, Largura: 14cm, Comprimento: 21cm
  • Páginas: 234 páginas
  • Peso: 500g

Por:
R$ 46,00

ou 3x de R$ 15,95 com juros
Simulador de Frete
- Calcular frete

Li este livro de Paloma Franca Amorim com a mesma surpresa que tive ao conhecer as obras de estreia de Marcelo Mirisola e Ferréz na virada dos anos 1990 pros 2000. Aquela certeza de estar diante de um novo veio, de uma nascente que marcará, como esses dois autores fizeram, cada um a seu modo, a paisagem literária dos anos seguintes.

Cito dois homens por um acaso da história recente da literatura brasileira, mas é inevitável, quando lemos Paloma, lembrar de outras mulheres escritoras. Na apresentação e no prefácio do livro, Clarice Lispector é mencionada com razão. Lembrei também, ao escrever essa orelha, da jovem Raquel de Queiroz, em sua mistura de seca e de melancolia, e de Marilene Felinto, com sua prosa tão pessoal e tão lentamente dolorida.

Cito tanta gente não por uma questão de filiação, mas para tentar dar um parâmetro do evento que é esse livro. Aparentemente, é uma reunião de crônicas, mas cada crônica desse livro é, antes, também um conto, e o conjunto de contos acaba formando um romance. Não por acaso, me parece, Paloma, ao juntar esses textos tão coerentemente, excluiu a data de publicação, em jornal, fazendo-os renascer como um conjunto.

Há um eu, personagem principal dessa enchente, que alcança Belém, São Paulo, Buenos Aires e Aveiro, que atravessa carnavais e estradas em viagens de ônibus e caminhares sobre calçadas e pernas tortas, que chega ao Rio de Janeiro, à Patagônia e aonde mais a imaginação da autora leva. Um eu que é narrado não na lógica da autoficção, sensação dos últimos tempos, mas no da prospecção simbólica, que é pessoal, é familiar, é comunitária.

Uma voz que é negra, é indígena, é urbana e, também, de classe média. Sim, tudo isso está aqui, lindamente aqui, tristemente aqui.

Haroldo Ceravolo Sereza

Sobre a autora: Paloma Franca Amorim nasceu em Belém do Pará em 1987. Mudou-se aos 18 anos para a cidade de São Paulo onde vive desde então. Além de escritora, é professora de teatro formada pela Universidade de São Paulo, ilustradora e integrante de alguns núcleos artísticos como a roda de samba de mulheres Sambadas, onde canta e toca clarinete, o grupo de teatro e cultura feminista Coletiva Vulva da Vovó e o coletivo de mulheres amazônicas Vacas Profanas, sediado na região norte do país. É colunista do jornal O Liberal.

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.
  • Medida: Altura: 01cm, Largura: 14cm, Comprimento: 21cm
  • Páginas: 234 páginas
  • Peso: 500g

Confira os produtos