Código: 330

UM DEFUNTO ESTRAMBÓTICO

Bookmark and Share

Referência: 9788577510238


Por:
R$ 39,00

ou 3x sem Tarifa de R$ 13,00
 
Simulador de Frete
- Calcular frete

Valentim Facioli
184 páginas - 2ª edição

A conhecida obra de Machado de Assis, Memórias Póstumas de Brás Cubas,
ganha neste estudo de Valentim Facioli uma abordagem reveladora. Em Um
defunto estrambótico
, o autor, fazendo uso de um termo até certo ponto
machadiano - o significado de estrambótico e sua variante estrambólico é pouco conhecido - lê esse defunto-narrador como uma metáfora de um Brasil escravista, ´carcomido´ por contradições entre o arcaico e o moderno, e se esse é um ponto forte da sua análise, não é só essa implicação que Facioli analisa.

O estudo mostra como Machado opera uma relação estranha entre seu
narrador-personagem e o leitor. Trata-se de uma brincadeira, um capricho, um desrespeito, uma fraude? A narrativa propõe uma ruptura com um princípio básico do realismo, porque quem fala, pensa e expõe as idéias, não estaria apto a fazê-lo. A ele só restaria ser devorado por vermes, pois não é esse o destino reservado ao defunto? Mas não. Há uma quebra da verossimilhança e somos atormentados com idéias estapafúrdias de um defunto a nos atazanar a vida. Seria o defunto Brás uma alma penada a querer assombrar os leitores, ou a ironia de Machado tem outros desdobramentos que não se percebe prontamente?

Outra complicação de fundo da narrativa de Machado (ou seria de Brás Cubas?) que Facioli bem analisa é aquela em que o leitor é sempre desafiado a acreditar ou a desconfiar do que está lendo, pois o ponto de vista da narrativa é sempre de Brás Cubas e não existe outra fonte a respeito dos acontecimentos narrados. E tudo se complica ainda mais quando ele afirma que ´só fala a verdade´, pois na condição em que se encontra ´não teria por que se comprometer com as mentiras ou
meias-verdades dos vivos´. Quem estaria delirando nesse caso: Machado, Brás Cubas ou seria esse delírio um retrato especular do Brasil da época?

Por outro lado, sendo Brás Cubas uma paródia ao nome do colonizador português, não estaria Machado dando nome aos bois e, por extensão, dando ao seu personagem um pouco daquilo que significou a colonização do Brasil feita à moda portuguesa, com todas as suas implicações, sendo Brás Cubas um cavalheiro rico e ´ilustrado´?

Esta análise enfrenta as traições que espreitam cada dobra
da narrativa, especialmente as astúcias, máscaras, meias-verdades, meias
mentiras e fraudes perpetradas pelo narrador-defunto, cujas memórias são também uma memória do Brasil para a posteridade, feitas com humor, ironia e sátira, misturadas com doses de melancolia, ruína e morte. É o registro de Machado para um mundo de personagens amalucadas que justifica o título ´estrambótico´ sacado pela análise de Valentim Facioli, a qual busca um acordo com um leitor astuto e democrático.

Deixe seu comentário e sua avaliação


Características