PRÉ-VENDA: Òmìnira, de Valéria Gomes Costa

PRÉ-VENDA: Òmìnira, de Valéria Gomes Costa

Marca: Alameda Editorial Modelo: 2021 Referência: 978-65-5966-040-7

  • Páginas: 348 páginas
  • Medida: Altura: 01cm, Largura: 16cm, Comprimento: 23cm
  • Peso: 500 gramas

Por:
R$ 70,00

ou 3x de R$ 24,27 com juros
Simulador de Frete
- Calcular frete

Mulheres e homens libertos da Costa d’África no Recife (c. 1846 – c. 1890)

A produção historiográfica sobre o escravismo e as formas de resistência de mulheres, crianças e homens escravizados no Brasil é bastante expressiva e tem sido desenvolvido, nas últimas quatro décadas, em diversas universidades brasileiras e no exterior. Cada vez mais, há uma ampliação de temáticas e novas abordagens metodológicas para interpretar o mundo da população da Diáspora Africana nas Américas. A obra “Òmìnira” se inscreve nesse campo, no qual a historiadora Valéria Costa reconstruiu trajetórias de pessoas escravizadas no Oitocentos, sobretudo, as de “pretos minas”, que conquistaram a liberdade e tiveram que se reinventar para viver/sobreviver em sociedade escravista, tendo como palco o Recife/PE.

 

Milhares de escravizados precisaram refazer antigos laços familiares e de parentesco; construíram novas relações de amizade, afetos, redes de sociabilidades; emaranharam-se em conflitos e tensões na luta por seus espaços (sociais, políticos, culturais, entre outros) no campo, nas cidades e em seus arrabaldes. Reconstituir, a partir das trajetórias de vida, essas experiências dos libertos que conseguiram algum prestígio no Recife é o objetivo principal da obra de Valéria Costa. A autora se interessa, em particular, pelas perspectivas e expectativas dos africanos da África Ocidental, ou seja, os chamados “pretos minas”. Os fragmentos de suas experiências individuais e coletivas revelaram a formação de grupos afluentes dentro de comunidades negras (africanos e crioulos) no Recife. Portanto, é a história social desses grupos que é analisada ao longo dos capítulos que compõem este estudo. A obra busca entender as estratégias que diversos homens e mulheres elaboraram para sobreviver aos estigmas impostos pela sociedade escravista.

 

Por fim, Valéria Costa faz emergir vidas, sonhos, pesadelos, mortes, alegrias e sofrimentos da população africana de um Pernambuco urbano oitocentista. Conhecendo tais horizontes analíticos os leitores vão poder ver, ouvir e sentir ondas atlânticas arrebentando em Recifes solidamente negros.

 

Sobre a autora: Valéria G. Costa é historiadora e professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – Sertão Pernambucano (IF Sertão PE). Licenciada e Mestra em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Doutora em História Social do Brasil pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

 

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.
  • Páginas: 348 páginas
  • Medida: Altura: 01cm, Largura: 16cm, Comprimento: 23cm
  • Peso: 500 gramas

Confira os produtos